A LIÇÃO DA BORBOLETA

 

Um dia, uma pequena abertura apareceu em um casulo. Um homem sentou e observou a borboleta por várias horas – como ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco. Então, pareceu que ela parou de fazer qualquer progresso. Parecia que ela tinha ido o mais longe que podia e não conseguia ir mais além.


Então, o homem decidiu ajudar a borboleta: pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo.

A borboleta, então, saiu facilmente. Mas seu corpo estava murcho, era pequeno e as asas estavam amassadas.


O homem continuou a observar a borboleta porque esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abririam e se esticariam para serem capazes de suportar o corpo que iria se afirmar a tempo.


Mas nada aconteceu.


Na verdade, a borboleta passou o resto da vida rastejando seu corpo murcho e suas asas encolhidas.


O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar, não compreendia era que o casulo apertado e o esforço da borboleta eram o modo que Deus encontrara para fazer com que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas de modo que ela estaria pronta para voar no momento em que estivesse livre do casulo.


Como não passou por esse processo, aquela borboleta nunca foi capaz de voar.